Casamento Real: O Evento do Ano

1+

Foi numa cerimónia sem preconceitos com a noiva a entrar sozinha na igreja que se realizou, este sábado, dia 19, o casamento mais esperado do ano. Meghan Markle, 36 anos e o príncipe Harry, de 33, uniram as suas vidas num matrimónio marcado pela expectativa, diferença, diversidade e quebras de protocolo.

Desde o anúncio do casamento em Novembro último, que a ansiedade e expectativa dispararam. Quem seriam os convidados, quem iria vestir a futura mulher do príncipe rebelde, qual o destino da lua-de-mel e toda uma parafernália de situações que mantiveram a Grã Bertanha e o mundo em suspenso até este sábado, dia 19.

 

E, à medida que os 600 convidados se dirigiam para a capela de St.George, no Castelo de Windsor, a ansiedade aumentava. Que grande designer a teria vestido, que tiara levaria? A chegada da noiva, com alguns minutos de atraso a quebrar a pontualidade britânica desfez o mistério do vestido. Um modelo da estilista inglesa Claire Waight Keller, da casa francesa Givenchy, inspirado em Audrey Hepburn. Na cabeça, uma tiara de diamantes que pertenceu à rainha Mary, avó de Elizabeth II.

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

Num casamento realizado no fim-de-semana, que não sendo tradição, também não é inédito, a actriz Meghan Markle entrou na capela sozinha e foi recebida pelo príncipe Carlos, pai do noivo que a entregou a Harry. E o rígido protocolo continuou a ser quebrado.

A noiva caminhou pela esquerda do futuro sogro e Harry levantou o véu do rosto da noiva antes dos votos. Entretanto, e como já alguns esperavam que acontecesse, Megan não jurou “obediência” à semelhança do que havia feito a princesa Diana e também Kate Middleton. Em vez disso jurou apenas “love and cherish” (amar e cuidar).

Entretanto, Harry fez questão de fazer a troca de alianças na hora dos votos algo que também não é usual. Contrariando ainda as regras da tradição britânica, na qual a realeza evita demonstrar afecto em público, os noivos passaram o tempo todo de mãos dadas e trocando olhares cúmplices.

Este slideshow necessita de JavaScript.

A verdade é que apesar de se respeitarem minimamente as regras, muitas delas foram “adaptadas” à ocasião. O Palácio de Kensington anunciou, na sexta-feira, que a noiva tinha pedido ao príncipe de Gales para ser ele a levá-la ao altar. Essa devia ser a função de Thomas Markle, seu pai, mas dado que não podia estar presente devido ao seu frágil estado de saúde, coube ao príncipe Carlos fazê-lo. “O príncipe de Gales está feliz por poder acolher Meghan Markle na família real desta forma”, lia-se no comunicado. E, nenhuma destas contingências pareceu afectar a duquesa de Sussex (título atribuído após o matrimónio) que sorriu durante toda a cerimónia.

CONVIDADOS

A lista de convidados que não incluíu líderes políticos (uma vez que não se tratava de uma cerimonia de Estado) foi uma festa à qual Harry e Meghan quiseram dar um cunho o mais intimista possível. Os amigos não faltaram à chamada e figuras como George e Amal Clooney, Oprah Winfrey, Serena Williams, David e Victoria Beckham, o cantor James Blunt, o apresentador James Corden, Sir Elton John, e a actriz Priyanka Chopra destacaram-se entre os presentes. De referir ainda a presença de duas ex-namoradas do príncipe Harry, Cressida Bonas e Chelsy Davy.

Este slideshow necessita de JavaScript.

DIFERENTE MAS ENCANTADOR

Não há dúvida de que os contos de fadas já não são os mesmos. Exemplo disso é o casamento de Meghan Markle com o príncipe Harry. Os tempos mudam e até as monarquias têm de adaptar-se. Conhecedora dessa realidade e sempre actualizada, a rainha Isabel II tem permitido que sobre o seu reinado sopre o vento de mudança. Por isso, quando Harry anunciou o seu desejo de casar com uma americana, divorciada e actriz, a rainha fez a vontade ao neto e deu o seu consentimento

Este slideshow necessita de JavaScript.

Meghan Markle não se parece com as princesas tradicionais que estamos habituados a ver nos contos de fadas. Filha de uma afro-americana acaba por estar na origem de algumas quebras de protocolo que poderão não ter agradado a todos. A começar pela efusiva homilia do chefe da Igreja Episcopal norte-americana Michael Bruce Curry que marcou um dos momentos altos da cerimónia. Durante cerca de 13 minutos, o bispo falou sobre o fogo do amor, citou Martin Luther King, mencionou a escravatura no EUA e descreveu as tecnologias modernas. Se alguém queria um casamento real marcado pela diferença, Meghan Markle e o príncipe Harry são os reais protagonistas. As melhores felicidades para os noivos.

FOTOS e VÍDEO: DR., Facebook e Instagram Royal Family e British Monarchy

1+

Seja o primeiro a comentar

Deixar uma resposta